segunda-feira, 14 de março de 2022

Sebrae e Riachuelo trabalham a revitalização da cultura do algodão no RN

 

Sebrae e Riachuelo trabalham a revitalização da cultura do algodão no RN

Reprodução 


Entre os anos de 1960 e 1980, o RN viveu o apogeu da atividade algodoeira. Era o chamado  ‘ouro branco’, diante da imensidão de plantações esbranquiçadas, feito nuvens, que se via em solos potiguares e o volume de divisas gerado.Tmepos de riqueza e renda.

Segundo o Sebrae RN, estima-se que o estado já teve mais 500 mil hectares de pastos adensados com essa cultura, da qual se extraia a fibra, óleo da semente e até mesmo o rejeito servia de alimento para o gado. Uma realidade distante na linha temporal, desde que a praga do bicudo, um inseto devastador, abafou esses tempos áureos e pôs fim à atividade ao dizimar milhares de pastos.

Pois bem

Os tempos bons estão soprando retorno. Com a evolução cientifica e biotecnológica, a cultura está sendo resgatadas por meio de uma forte parceria: Grupo Guararapes, através do Instituto Riachuelo. E uma Sebrae RN e Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias).

"As três instituições se uniram para iniciar a revitalização da cultura do algodão no Rio Grande do Norte de forma técnica, ambientalmente sustentável e com absorção da produção a partir da agricultura familiar. Essas são as bases do Projeto para Desenvolvimento e Resgate da Cultura Algodoeira. Uma ação que envolve 63 agricultores instalados em municípios da região Seridó, principalmente das cidades de Acari, Caicó, Carnaúba dos Dantas,  Cruzeta, Jardim do Seridó e São José do Seridó", informa o Sebrae.

Explica

A proposta do projeto é fomentar a produção do algodão no sertão norte-rio-grandense, especificamente nessa região, e, ao mesmo tempo, oferecer suporte técnico, capacitações, consultorias e escoamento da produção, gerar negócios para o produtor rural e incremento de renda, como nortes para o resgate da atividade, que já foi uma das principais bases econômicas do Rio Grande do Norte.

A iniciativa faz parte do projeto Agro Sertão do Sebrae e é financiada pelo Instituto Riachuelo, que visa incluir produtores da agricultura familiar na cadeia produtiva da moda, através do cultivo de algodão agroecológico e orgânico.

Valor agregado e novos produtos

De acordo com a gestora do Projeto de Orgânicos do Sebrae-RN, Sergina Fernandes, pelas regras do convênio, a Embrapa Algodão fica responsável pelo repasse de conteúdos técnicos para os agrônomos credenciados pelo Sebrae e estes passam a orientar e acompanhar os agricultores cadastrados na construção de um sistema de produção agroecológico e orgânico. “O projeto está estruturado em uma metodologia de aprendizagem e de pesquisa participativas. Isso vai facilitar a formação dos produtores a respeito do cultivo e que novas tecnologias cheguem mais rápido aos agricultores”, explica Sergina.

Após capacitação dos consultores credenciados por parte da Embrapa Algodão, as técnicas serão transmitidas aos participantes com assistência técnica especializada, desde o plantio e prevenção de pragas e doenças até a colheita, cuja produção será destinada a uma empresa de atuação nacional. A aquisição de toda a produção deverá ser transformada em fios com certificação orgânica, material diferenciado e com valor agregado ao mercado, e chegar ao varejo têxtil em forma de tecidos.  As prefeituras dos municípios envolvidos no projeto também entram na parceria, oferecendo meios para o corte de terras das famílias participantes.

“O Instituto Riachuelo abraçou essa causa por estar dentro da missão de gerar trabalho e renda no do Rio Grande do Norte. Todas as nossas iniciativas têm esse objetivo. Queremos abrir novas frentes de trabalho além das que já existem, como é o caso do Pró-Sertão, por exemplo. E a retomada da cultura do algodão é uma delas”, explica o presidente do Instituto Riachuelo, Gabriel Kanner.

Na visão do presidente, a ideia do Instituto Riachuelo é atrelar segmentos têxtil e do artesanato para gerar novos produtos a partir do desenvolvimento dessas cadeias. “Estamos entrando também nas escolas municipais desses municípios que têm oficina de costura com aulas de empreendedorismo, liderança, ética, integridade e educação financeira. É uma ação educacional muito bacana também. Todas essas frentes têm como objetivo encontrar caminhos para, não apenas do Rio Grande do Norte, mas para o semiárido brasileiro ser sustentável. Enxergamos o papel do instituto como um laboratório, uma experiência, que inicia no Rio Grande do Norte e futuramente expanda para outros estados”, garante o executivo.

Gabriel Kanner também destaca a atuação do Sebrae em consonância com a filosofia do Instituto Riachuelo. “O Sebrae tem sido um parceiro fantástico, desde o início do  Pró-Sertão, e eu fiquei, pessoalmente, muito bem impressionado,  surpreso positivamente com a atuação do Sebrae no Rio Grande do Norte, em função do engajamento e do comprometimento. Realmente, as pessoas que atuam, acreditam no que fazem e no propósito de  fomentar os micro e pequenos negócios”.

Autor(a): Eliana Lima

Fonte: bznoticias.com.br

←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 Comments:

Postar um comentário