quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Love com sexo explicito é rejeitado por alguns exibidores

Com sexo explícito em 3D, 'Love' é rejeitado por exibidores no Brasil

Cinemark recuou em lançar o filme; em SP, estreia é em seis salas.
'Sistema aqui é pra lá de conservador', diz fundador da Imovision.


Cena do filme 'Love', do diretor Gaspar Noé (Foto: Divulgação)

Após enfrentar a proibição do Blu-ray de "Azul é a cor mais quente", a distribuidora Imovision vê uma de suas apostas do ano ser rejeitada pelos exibidores. Com cenas de sexo explícito em 3D, incluindo uma ejaculação na direção do público, "Love", do diretor argentino Gaspar Noé ("Irreversível"), estreia nesta quinta-feira (10) em menos salas do que o esperado.
"No Brasil, já é complicado para filmes independentes estrearem em circuito multiplex. Esse filme junta cultura e entretenimento, considerando sexo como entretenimento. O fato é que, numa primeira etapa, todos os exibidores grandes adoraram a ideia de exibi-lo e, depois, a maioria recuou", afirma Jean-Thomas Bernardini, fundador da Imovision, em entrevista ao G1.

Ele se refere principalmente às redes Cinemark, que não exibirá o filme, e Cinépolis, que garantiu um número de salas, mas cancelou sessões. Segundo a assessoria de imprensa da Imovision, o Brasil é um dos primeiros países a exibir o longa, que deve entrar em cartaz em 48 salas nesta quinta, sem horários confirmados
 .
Dia do Sexo
"Queríamos fazer a pré-estreia, no dia 6, o Dia do Sexo, em 300 salas e acabou sendo em 45 por causa da classificação do filme para 18 anos", diz Bernardini. "Tudo o que é um pouco diferente aqui a gente sofre. O sistema de exibidores no Brasil é pra lá de conservador. Se fosse possível classificar como 30 anos, teriam colocado. Se não quer exibir, não quer, paciência". Na França, a produtora Wild Bunch brigou com o ministério da Cultura para que a classificação de "Love" fosse 16 anos.
Eduardo Chang, gerente de programação da Cinépolis do Brasil, diz ao G1 que fechou com a Imovision apenas uma sessão de "Love" em SP e após 22h. "É um conteúdo com sexo explícito e não faz sentido o filme ter sessões regulares", explica Chang.
A Cinemark afirmou ao G1, em comunicado, que "a distribuição dos títulos é negociada antecipadamente com as empresas distribuidoras. A distribuição é feita a partir da disponibilidade de cópias e da análise do resultado de bilheteria, levando em conta critérios como o interesse do público das diferentes regiões e o gênero de cada filme. O fato de o conteúdo ter cenas de sexo não é uma restrição para a rede".

"Se os exibidores deixassem de colocar o mesmo filme em seis salas diferentes e deixassem que o público tivesse a oportunidade de ver outro tipo de filme, a Imovision teria muito mais faturamento. 'Ah, mas esse aqui é de arte, esse filme é de gay, esse aqui é de sexo'. Eles sempre têm uma desculpa para só passar as mesmas coisas", reclama Bernardini.
Filme de amor com muito sexo
No filme "Love", um pai de família (Karl Glusman) relembra o tórrido romance que teve com Electra (Aomi Muyock), ao saber pela mãe da garota que ela desapareceu. Sexo a três e todos os tipos de perversidades fazem parte das memórias dele.
"Não é um filme pornô. É um filme de amor com muito sexo. É um filme de qualidade e pode entrar em qualquer horário. Não quero que tenha censura. Cada exibidor deveria colocar uma parcela de filmes de qualidade para o público, não só os que dão milhões de dólares, e isso ajudará também na formação de cinéfilos", conclui o distribuidor.




Cena do filme 'Love', do diretor Gaspar Noé (Foto: Divulgação)
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário